domingo, 17 de maio de 2009

Observa e Toca Malakoff 16.05.09 - como foi?

O debate de ontem no Observa e Toca Malakoff abordou o tema “novas possibilidades de divulgação” e contou com as opiniões de Jarmeson de Lima (Coquetel Molotov), Jarbas Jacome (músico e graduado em ciências da computação), Ivo Frazão (do aplicativo tocaê que falaremos logo mais) e o mediador já conhecido do público malakoffiano Evandro Sena.

Photobucket

Jarmeson começou o papo com uma contextualização histórica a respeito dos métodos de produção, distribuição e divulgação ao longo dos anos e ressaltou que hoje o importante não é o formato do fonograma e sim o suporte em que ele se manifesta. Pendrives, CDs, DVDs, Rádio, Myspace, Celular etc foram alguns dos exemplos citados por ele e que são utilizados das mais diversas maneiras no meio artístico contemporâneo. Por algumas vezes, no entanto, esses artistas não conseguem gerenciar essas ferramentas de forma satisfatória à formação de público.
Realmente não adianta criar um perfil no myspace, se você não adicionar amigos e cativá-los com o seu som. Bem, pelo menos se a intenção for sobreviver da própria arte.

Continuando, Jarbas também fez uma contextualização histórica, mas, através de uma ótica mais técnica acerca da internet e suas possibilidades. Demonstrou a importância da vida em rede depois da massificação da nossa querida world wide web e ressaltou que após essa revolução digital, a tendência mercadológica tende a se horizonalizar, e não continuar em sistemas pautados em modelos verticais onde a ordem vem de cima. Explicitou que com o simples fato de uma pessoa ser agente transmissor e receptor de informações variadas e conectadas com o resto do mundo, fica mais fácil e mais possível criar e motivar a vida em rede, além de novas e boas alternativas para essa economia da produção fonográfica, claro. Citou o caso do Som Barato, de como ele se foi, e de como voltou para ficar. Mas, isso acho que é melhor vocês ouvirem no áudio que será disponibilizado aqui no blog em breve.

Jarbas trouxe ainda um convidado para dar um exemplo real de alternativa em distribuição. O nome da pessoa é Ivo Frazão, e é um dos responsáveis pelo Tocaê - aplicativo para celular que distribui músicas via Bluetooth através de aparelhos transmissores estrategicamente posicionados pela cidade. Distribui artistas independentes a 0,50 centavos a música da seguinte maneira:
Você compra um cartão com créditos em reais, e este cartão fornece um código que o usuário (hehe) digita pelo celular. Assim, esse usuário recebe uma lista de músicas e se estiver no range do aparelho transmissor pode escolher as musicas para baixar de acordo com sua vontade. Ivo disse que o casting da Astronave e da Candeeiro Records já estão disponibilizados no aplicativo, e que em um ano pretendem ter cerca de 50 aparelhos desses pela cidade espalhando musicas a torta e a não mais, não menos do que a direita. O melhor é que qualquer indivíduo pode disponibilizar suas canções no aplicativo, basta clicar aqui.

Terminado essa conversa muito proveitosa, foi momento de alegria e polêmica* nos shows de Geraldo Maia, Nóis e a Máquina e Pra Mateuz Poder Dançar, que vocês conferem nas fotos, por que o texto acho que não passa metade da emoção.
Ahhhh! Peraí, peraí! Ainda tivemos poetas!!!
Pausa para poemas. Nos intervalos entre as bandas alguns poetas recitaram a plenos pulmões as palavras que outrora foram escritas num papel em diagramação poética. Falando assim, fico quase com vontade de escrever em latim. De voltar ao campo... Ai ai, meu Goiás.

Photobucket
Poeta Goianense Ademauro Coutinho

PhotobucketGeraldo Maia


Photobucket
Nóis e a Máquina


Photobucket
Pra Mateuz Poder Dançar


* O porquê dessa polêmica, vocês ouvem no áudio do show de Geraldo Maia, que também será disponibilizado em breve. Na verdade, nem é polêmico. Mas é bom usar essa palavra por dois motivos: 1) se você repetir várias vezes, acaba ficando engraçado, e 2) gera mais mídia. :D
Enfim queria repetir aqui a pergunta feita a Geraldo Maia, só para – abrindo espaço para o termo chulo – jogar merda no ventilador:
Quais as estratégias de divulgação que vocês, como bandas, pensam para o próximo lançamento de vocês?

6 comentários:

Anônimo disse...

acho que voces só pensam em estrategia de divulgação como se isso resolvesse tudo e levasse o artista ao sucesso. O artista precisa de uma boa musica, carisma com o publico e muitas outras coisas. Não gostei da ironia de voces com Geraldo que tem um dos trabalhos mais sólidos da cena. Voces só enxergam internet meu muda um pouco esse papo. De nada adianta internet se a banda é ruim, aliás como a grande maioria das que voces gostam e apoiam. Todas as bandas que voces apostam afundam ou acaba em um ano.
Isso é dá querer colocar um site nas mãos de nerds bobocas e frustrados.
Que tal voces amadurecerem um pouco ou será que voces já atingiram a maturidade e a sabedoria dos sábios e nós não fomos avisados? Fui!

gabriel c. disse...

Anônimo,

Não pensamos em estratégia de divulgação à partir da música. É depois dela. Estamos longe de querer interferir na manifestação artística de qualquer indivíduo.
Ser um bom músico, ter carisma com o público e "outras coisas" não é o que investimos. Acreditamos que cada um tem total autonomia para se interpretar como quiser. Pensamos em como ter caminhos que leve um músico a sua subsistência.

Não tive ironia alguma com Geraldo Maia. Só disse que a dada "polêmica" está no áudio do show dele. Você assisitiu? Lembra da pergunta?

Qual banda que a gente aposta que afunda ou acaba em um ano? Até hoje só trabalhamos realmente com a Nuda. Que do ano pra cá já rodou boa parte do país, participou dos principais programas de tv da mídia nacional especializada que se você der uma googleada rápida vai saber o que esse trabalho gerou. A própria banda foi e vai atrás do que quer, e não espera alguém para cuidar deles, se é que me entendes. Usam as ferramentas que disponibilizamos para eles ou qualquer um, que inclusive está disponível na nossa lista de serviços em lumoedas (nosso sistema de crédito). ;)

Não enxergamos SÓ internet. Mas a internet é que garante a eficiência da rede toda. E sem ela hoje, é impossível produzir, divulgar ou distribuir música, se o que você quiser for sobreviver disso.

O que é atingir maturidade para você?

Anônimo disse...

ontem a noite sai pra jantar com Lady Di, mas ai Mussum - o dos trapalhoes e ex-marido da princesa - apareceu no restaurante e deu um tiro, que acabou pegando de raspao em Jaspion, presidente do Brasil. Por isso acho que o mundo ta errado e que Zacarias deveria morrer!

Sorte que tinha em maos uma arma nuclear secreta e terrorista, que detonei na hora, fugindo na mobilete da Mulher Maravilha - que descobri na verdade se tratar de William Bonner. Refeito do susto, preferi voar ao lado do meu amigo Gandhi, que me fez um ser humano melhor la na Guatemala.

No fim das contas acho que voce (quem?) eh um ser com olhar de soslaio.

Ps: viva os factoides! viva a desinformacao! viva a coragem dos anonimos!

Ps2: bom, mas nem tanto.

Ps3: um sonho de consumo, eu diria, amigo Jo Soares.

Raphael disse...

Sem voces, anonimos, a internet nao seria nada, nem ninguem. Aquele abraco fraterno a todos os anonimos, estamos pensando em fazer uma festa so pra vcs, o problema vai ser colocar o nome na lista de convidados.

hehe

Po, pena n ter ido pra esse debate, acho que foi massa. Mas valeu a pena, digo logo! =)

Anônimo disse...

Mermão, Geraldo Maia tá nessa desde a década de 80, ainda espera que os outros façam por ele?

Acho que a galera do Lumo tá certa, vai lá e faz porra!

Filipe (Peu) disse...

Bom... camarão que fica parado a onda leva, cuchilou cachimbo cai, macaco que nao sobe no pé não come banana e pá e bola e jacaré foi pra escola !